Transplante de medula em idosos ganha novas técnicas.

Remédios menos tóxicos abrem possibilidade para maiores de 60 anos receberem o tratamento, antes restrito aos jovens.

Estudo conduzido no Einstein, em SP, mostrou taxa alta de sobrevida em idosos submetidos a esse procedimento.

DÉBORA MISMETTI
EDITORA-ASSISTENTE DE “SAÚDE”
 

Médicos estão buscando novos métodos para realizar transplantes de medula em uma parcela da população que poucos imaginam como alvo tratamento, tão associado a adultos jovens e crianças: os maiores de 60 anos.

Ao mesmo tempo que correm um risco maior de desenvolver doenças do sangue como a leucemia mieloide aguda, pessoas dessa faixa etária não recebiam recomendação de transplante, por causa dos riscos do tratamento.

Agora, além de poderem fazer o transplante, os mais velhos começam a ter a possibilidade de ser tratados de forma mais eficaz.

Segundo o hematologista Vanderson Rocha, há 15 anos, nem se tentava o transplante para maiores de 55 anos.

O procedimento é feito nos cânceres hematológicos para reiniciar a produção de células do sangue sadias.

Antes do transplante, o paciente é submetido a uma quimioterapia forte que mata as células cancerosas e também as saudáveis da medula óssea, a "fábrica do sangue".

Os remédios usados nesse tratamento são fortes e tóxicos. "Isso pode levar o paciente à morte", diz Rocha.

Uma forma de contornar esse problema é usar combinações mais "fracas" de remédios, que não chegam a acabar com as células da medula antes do transplante. O método pode ser usado tanto em pacientes idosos quanto em jovens mais debilitados, que não resistiriam à terapia convencional.

Rocha, do Hospital Sírio-Libanês, diz que o risco, nesse caso, é a doença voltar.

Mas, segundo o hematologista Nelson Hamerschlak, do Hospital Israelita Albert Einstein, já é possível usar, para esses pacientes mais velhos, métodos de transplante tão eficazes quanto os recomendados para os jovens.

A necessidade do tratamento é uma questão matemática. Segundo estudo na revista "Blood", a leucemia mieloide aguda aumenta de até 3,9 casos por 100 mil entre pessoas com até 60 anos para até 19,2 casos por 100 mil na faixa acima dos 60. A doença afeta a produção de células sanguíneas e deixa o doente exposto a infecções.

Hamerschlak diz que os remédios usados no tratamento estão evoluindo e se tornado menos tóxicos.

Um estudo conduzido com 79 pacientes com mais de 55 anos, parte deles tratada no Einstein nos últimos cinco anos, mostrou uma sobrevida de 70% em dois anos para aqueles em primeira remissão da doença- que tinham feito um tratamento de químio e conseguiram fazer a leucemia recuar.

"O grande recado desse estudo é que não devemos relegar o idoso a um tratamento menos eficaz. Hoje, essas pessoas são até descartadas [da possibilidade de fazer um transplante]. Os próprios médicos não estão preparados", diz Hamerschlak.

Outra alternativa é usar também remédios que aumentam a força das células transplantadas contra as cancerosas que ainda restarem no corpo do doente.

O esforço se justifica: a maior causa de morte dos pacientes mais velhos é a volta da doença, enquanto que para os mais jovens os problemas mais comuns são as complicações do próprio transplante. 

______________________________________________________________

O empresário Bernardo Kogan, 67, se submeteu ao transplante de medula há um ano. O doador foi seu irmão, de 64.

Kogan conta que percebeu que não estava bem um sábado no fim de 2010. "Estava suando muito, cansado, fraco. Liguei para o médico, que me mandou para o hospital.”

Ele diz que ficou cerca de 15 dias desacordado. "Tinha pneumonia, infecção renal, muita coisa. Cheguei 'lá em cima', bati, ninguém atendeu, voltei.”

Os médicos descobriram que ele tinha a leucemia mieloide aguda e começaram o tratamento. "Fiquei internado até o dia 30 de dezembro de 2010. No dia 31, fui para casa e fiz festa.”

Os meses seguintes foram de preparação. Em abril de 2011, foi internado de novo. "Não fiquei muito preocupado, até porque demorou para 'cair a ficha'." Entre as reações adversas, ele destaca os enjoos.

Ele ainda continua o tratamento enquanto trabalha em sua empresa de prestação de serviços e segue seu esporte preferido, o futebol."Só podia comer alimentos controlados no hospital. Quando pude, comi uma linguiça."

Agora, ele aguarda o nascimento da primeira neta. "É uma motivação enorme."

Veja Todas as Notícias


   << Voltar

NOTÍCIAS

+

Bate-papo com a Nutricionista

Nossos pequenos do Integral tiveram um bate-papo com a nutricionista do HWR sobre a quantidade de açúcar “escondida” dentro das embalagens que tanto conhecemos e nos são tão familiares. O espanto se deu quando a quantidade de açúcar ...

+

Aprimoramento Contínuo

Aprimorar-se continuamente faz parte da infindável evolução do ser humano! Nosso encontro de professores do fundamental 1 para fechamento do semestre trouxe reflexões sobre as metodologias aplicadas e uma apresentação da professora Cris Marsi so...

+

Teatro em Inglês

Depois de um grande desafio vem um grande salto evolutivo! Para treinar o idioma Inglês, nossos alunos de oitavo ano encenaram e praticaram o vocabulário com cenas do cotidiano. Entre as cenas escolhidas estão: comprar ingresso no cinema, uma passagem de ônibus...

+

Relaxamento - Integral

Trabalhar a concentração, equilíbrio emocional, percepção dos espaços, do corpo, das sensações, além do estado de presença, é algo que pode ser trabalhado desde cedo! A percepção sobre esses aspec...

+

Vulcão: A Experiência

A melhor maneira de explicar algo que não conseguimos ver facilmente é simulando na prática! Além do conhecimento ser assimilado por associação aos momentos positivos de socialização, outros estímulos são alcançados e tr...